RESUMÃO – SEMANA 3 DA LIBERTADORES

Brasileiros invictos na terceira rodada e goleadas para os mandantes Na terça-feira, alguns brasileiros entraram em campo e todos saíram com três pontos. O Atlético-MG fez 4 a 0 no Cerro Porteño no Mineirão, o Santos recebeu o The Strongest na Vila Belmiro por 5 a 0. Fora de casa, o Palmeiras fez 2 a 1 no Defensa y Justicia na Argentina e o Flamengo derrotou a LDU no Equador por 3 a 2. O Racing Club e o São Paulo duelaram no Cilindro em Avellaneda. A partida acabou em 0 a 0. Já no Beira-Rio, o Internacional aplicou 6

PREOCUPAÇÃO SOCIAL: AGROCP e Funcionários fizeram importante doação para a NOSSA Santa Casa

Muita gente tem procurado ajudar a Santa Casa de Misericórdia do Hospital São Francisco de Assis, desde pessoas físicas até diversas empresas. Se é que existe um lado positivo nesta terrível pandemia é o de fazer a sociedade enxergar que hospitais são mais importantes que os estádios e o quão valorizados e reconhecidos devem ser todos os “guerreiros” da área de saúde, desde os profissionais da limpeza aos médicos e diretores. No mês de abril muitas doações foram encaminhadas até o HSFA. E uma delas mostra, mais uma vez, toda a preocupação social da empresa AgroCP. A empresa enquanto instituição,

Olhar Social: Presidente da Câmara solicita inclusão de grupos prioritários na vacinação contra a covid e também foca na arrecadação de alimentos

O presidente da Câmara Municipal de Três Pontas, Vereador Maycon Douglas Vítor Machado, que, para da Casa Legislativa, bem como na preocupação com as questões sociais do município, encaminhou recentemente alguns ofícios ao Executivo Municipal solicitando a inclusão de grupos prioritários na vacinação contra a covid-19 em Três Pontas. O legislador também sugeriu que se fosse atrelada ao trabalho de imunização, de forma opcional, a arrecadação de alimentos para atender famílias carentes do município. No pedido feito pelo presidente Maycon Douglas Machado ao prefeito Marcelo Chaves Garcia está a inclusão dos portadores de Síndrome de Down por serem mais vulneráveis

Corpo de bombeiros usa novas tecnologias para tentar encontrar idoso desaparecido em Três Pontas 

VALDIVINO MIGUEL CORREIA DESAPARECEU NO ÚLTIMO DIA 02 DE MAIO NA REGIÃO DO QUILOMBO N. SRA. DO ROSÁRIO. O Corpo de Bombeiros de Varginha está empenhado nas buscas pelo senhor Valdivino Miguel Correia, desaparecido desde o início deste mês. O professor João Victor Mendes pediu a intervenção do deputado federal Diego Andrade no caso. O parlamentar contactou o alto comando do Cobom pedindo que empreguem todas as tecnologias com o objetivo de localizar e devolver o idoso, que sofre de alzheimer, ao convívio de sua família.   Ele tem 80 anos e é conhecido como Divino da Prata ou Divino do

Três Pontas chega a 81 mortes por covid-19 segundo Boletim Epidemiológico

Número total de casos é de 3.840 positivados. Curados já somam 3.230. A Prefeitura Municipal de Três Pontas divulgou em sua página oficial o Boletim Epidemiológico desta quarta-feira (05) trazendo não apenas o aumento no número de contaminados, mas também o número de curados. O total de óbitos subiu com a confirmação de mais duas mortes. Ao todo, desde a confirmação do primeiro caso de coronavírus em Três Pontas, onde esse primeiro caso (uma mulher com comorbidades) chegou a óbito no dia 17 de abril de 2020, a cidade já contabiliza 3.840 pessoas contaminadas pela covid-19. Desse total, 3.230 já se

Bebês, funcionária e professora são mortas em ataque a creche em Santa Catarina

Quem é o autor do ataque a creche em SC que deixou cinco mortos? Quem são as vítimas adultas? O caso ocorreu por volta das 10h desta terça-feira, quando um jovem invadiu a Escola Infantil Pró-Infância Aquarela, em Saudades, no Oeste de Santa Catarina e desferiu golpes contra adultos e crianças com um facão. De acordo com a Polícia Civil, duas crianças morreram no local e uma, após atendimento médico no hospital do município. Todas tinham menos de dois anos de idade. Também foram vítimas fatais desse ataque a professora Keli Adriane Anieceviski de 30 anos e a funcionária Mirla

Covid-19: Mais 10,9 milhões de doses de vacina foram entregues no fim de semana no país

Fiocruz disponibilizou 6,5 milhões de doses na última sexta-feira Entre esta sexta-feira (30) e o domingo (2) foram disponibilizadas no país 10,9 milhões de doses de vacinas contra a covid-19. Na sexta-feira foram entregues 6,5 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca, produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), além de 420 mil da CoronaVac, parceria entre o Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac. No domingo (1º), chegaram 220 mil doses da Oxford/AstraZeneca importadas por intermédio do consórcio Covax Facility, coordenado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). No domingo, uma nova remessa desse imunizante, também obtida junto ao consórcio Covax Facility,

Sul de Minas recebe mais 78 mil doses de vacinas contra a Covid-19

Doses da Astrazeneca e da Coronavac fazem parte da 15ª remessa enviada pelo Programa Nacional de Imunização (PNI). O Sul de Minas recebeu mais 78.360 doses das vacinas Astrazeneca e Coronavac contra a Covid-19. As vacinas fazem parte da 15ª remessa enviada pelo Programa Nacional de Imunização (PNI). Segundo o governo de Minas, as doses começam a ser distribuídas para as regionais de saúde da região na próxima segunda-feira (3). Ao todo serão destinadas para a região 76.500 doses da Astrazeneca e outras 1.860 da Coronavac. Em todo o estado, serão distribuídas 578 mil doses da AztraZeneca e 11.800 da

CORONAVÍRUS: Mês de abril de 2021 foi o mais letal desde o início da pandemia em Três Pontas, com 24 óbitos.

CONEXÃO FAZ UM RAIO-X DAS MORTES POR COVID-19 NO MUNICÍPIO O mês de abril de 2021 foi o que mais registrou mortes por covid 19 em Três Pontas desde o início da pandemia, em março de 2020. De lá para cá, até hoje, 03 de Maio de 2021, 79 pessoas morreram em decorrência de complicações provocadas pelo coronavirus no município. É o que afirma o Boletim Epidemiológico da Prefeitura Municipal de Três Pontas. A primeira morte provocada pelo coronavirus no município, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, ocorreu no dia 17 de abril de 2020, vitimando uma idosa de 72

RESUMÃO – SEMANA 2 DA LIBERTADORES por Gabriel Lemos

Terça-feira de goleadas, brasileiros vencem, com exceção do Santos que se complica na competição Os brasileiros tiveram uma semana de luxo na Libertadores. Na terça-feira o Atlético-MG derrotou o América de Cali no Mineirão, vencendo por 2 a 0, o Flamengo goleou o Unión La Calera do Chile no Rio de Janeiro por 4 a 1, o Internacional fez 4 a 0 no Deportivo Táchira no Beira-Rio e o Palmeiras fez 5 no Independiente del Valle. Nesse dia apenas o Santos jogou fora do país e perdeu por 2 a 0 para o Boca Juniors. Na quarta-feira, o Fluminense viajou

COLAPSO: Pacientes com Covid-19 lotam Enfermaria e UTI da Santa Casa de Três Pontas; Mortos sobem para 79

Número total de casos é de 3.765 positivados. Curados já somam 3.216. A Prefeitura Municipal de Três Pontas divulgou em sua página oficial o Boletim Epidemiológico desta segunda-feira (03) trazendo não apenas o aumento no número de contaminados, mas também o número de curados. O total de óbitos subiu com a confirmação de mais duas mortes. Um dos dados que mais preocupa as autoridades de saúde é a superlotação da Santa Casa de Três Pontas. UTI e Enfermaria já enfrentam colapso. Ao todo, desde a confirmação do primeiro caso de coronavírus em Três Pontas, onde esse primeiro caso (uma mulher com

Fã da sétima arte, trespontano Milton Nascimento terá sua vida contada em filme

Projeto está em estágio embrionário, mas a Gullane, responsável pela empreitada, aventa que longa pode estrear em 2023 O fã que acompanha a vida de Milton Nascimento para além da potência de sua produção musical sabe que a relação do cantor e compositor com a sétima arte não pleiteia menos que o adjetivo “visceral”. Não raro, este mineiro, trespontano de coração, cita “Jules e Jim” (1962), de François Truffaut (1932-1984), como um dos filmes basilares de sua formação cultural. As páginas biográficas dedicadas ao artista contam que foi no dia em que, junto a Marcio Borges, assistiu à produção francesa

ENTREVISTA: Presidente da AcaiTP fala sobre a situação do comércio local diante da pandemia

Bruno Carvalho fala sobre a importância de “deixar o dinheiro na cidade” e aborda a “briga” no setor de farmácias em busca de igualdade

O governo do estado de Minas Gerais segue com a sua política de combate a pandemia de coronavírus tendo como principal ferramenta as polêmicas ondas, cada uma com uma cor e suas demandas e restrições, dentro do programa Minas Consciente. E praticamente todas as cidades hoje ainda seguem na chamada onda roxa, a mais restritiva de todas elas. Isso inclui a cidade de Três Pontas. Apesar de uma leve melhora na ocupação dos leitos de UTI em alguns municípios, o resultado está longe de ser expressivo para a saúde e, ao mesmo tempo tem prejudicado e muito a economia mineira, tanto o setor industrial quanto o comercial. Muitas empresas fechando, demissões em massa e um cenário que parece estar longe de sofrer um revés. Para falar um pouco mais sobre isso, conversamos com o presidente da Associação Comercial e Agroindustrial de Três Pontas,  Bruno Dixini  Carvalho, reeleito recentemente para o seu segundo mandato.

Conexão – Um ano de pandemia atingindo também o setor comercial de Três Pontas. Quais os reflexos dessa realidade que afeta o Brasil e o mundo todo para as empresas do nosso município?

Bruno – Falando especificamente da onda roxa, a gente tá vivendo um ano de pandemia e isso representa uma tremenda dificuldade para o comércio local. Isso representa a perda de clientes pelos comerciantes e o poder de compra do cliente também vem sendo muito afetado por conta da inflação. Temos vários aumentos de preço e a cadeia produtiva vem enfrentando problemas até hoje. E isso tudo encareceu muito os produtos que são consumidos. A movimentação do produto está mais cara e a escassez também gera aumento de preço. O cliente está com poder de compra bem defasado e com medo de comprar. Há uma queda muito grande no consumo. 

Há muito medo por conta da perda de empregos, da diminuição dos postos de trabalho. As pessoas estão diminuindo o consumo e de fato não estão tendo dinheiro. Além disso, existe uma crise de pessimismo no momento em que a gente vive, há uma insegurança jurídica vendo essas coisas no STF, uma insegurança política vendo por aí prefeitos, governadores e o presidente falando coisas que não batem um com o outro. 

Também há uma crise de saúde que não se conseguiu evoluir muito, nem em leitos de hospital no Brasil inteiro, a vacina ainda chega devagar e com informações muito truncadas. Também há a crise econômica. Então infelizmente temos todos os motivos para estar com a cabeça bagunçada, um ambiente de incerteza e falta de sonhos. A pessoa não tem perspectiva mais! Há o medo de realizar um investimento grande, de trocar de carro ou comer um produto de valor agregado maior. Ela tenta guardar dinheiro, pois não sabe o que vem pela frente. Isso, de um ano para cá, representou muitas perdas. 

Conexão – Além disso tudo que você falou, há o fechamento de várias empresas, do comércio em Três Pontas? 

Bruno – Três Pontas vive um momento interessante porque desde a época do surgimento da covid-19 o município gerou 468 empregos, segundo uma pesquisa do Sebrae. Em Varginha, com o triplo da nossa população, foram gerados 211 vagas. Em Três Corações, também com população maior que a nossa, houve perda de 290 postos de trabalho. Aqui eu não lembro de ver empresas conhecidas fechando as portas. Mas está havendo uma dança de cadeiras. Inclusive um restaurante que aparentemente fechou, mas que vendeu para outra pessoa que segue com o mesmo negócio. Não houve muitos fechamentos, mas houve mutações. 

Minha irmã, por exemplo, tinha uma loja no centro e agora está com a loja em casa. Nesse cenário muitas empresas estão agindo assim, trocando aluguéis, muitas vezes, mais caros por outros mais baratos. Os trespontanos, assim como o empresário de modo geral em todo Brasil e em todo mundo, se viu com a necessidade de diminuir as despesas para conseguir manter pelo menos a empresa viva em relação a postos de trabalho.

Conexão – Você notou se ainda, de uma forma linear, os empregos estão sendo mantidos ou se houve um pequeno agravamento na manutenção dos empregos?

Bruno – Sim. O que tem acontecido agora do começo do ano para cá, a gente vê nossas empresas mais enxutas, já que o movimento caiu e os comerciantes também estão preocupados neste momento de economia em crise, eles acabam cortando um colaborador ou mais, infelizmente. 

O auxílio emergencial não estava sendo liberado e agora ele tem previsão de começar a cair na conta de muitos brasileiros, porém em valor muito menor. Tanto o consumidor como o empresário estão sonhando pouco, há muita preocupação com o futuro. Essa onda de pessimismo acaba retraindo um pouco a economia e a admissão de novos colaboradores.

Conexão – A Associação Comercial tem uma gama de serviços que oferece aos comerciantes credenciados. E também tem o serviço de recebimento de currículos. A procura por emprego vem aumentando na AcaiTP?

Bruno – Em relação a demanda de currículos de fato é um número que diariamente chega na Associação. Mas penso que nesse aspecto ainda estamos numa escala normal. Desde o ano passado mesmo isso vem ocorrendo. É muito concorrido o mercado, há muita gente boa e a gente enxerga muito campo para as pessoas se qualificarem. É necessário haver qualificação. E nesse aspecto a Associação Comercial tem cursos online através da plataforma Cresça Mais. A gente tem caminhos aí para capacitar de forma online, já que a capacitação presencial não pode ser feita neste momento. Mas mesmo assim, no ano passado, a gente conseguiu realizar dois ou três eventos com total proteção para as pessoas, mantendo distanciamento. Eram poucas pessoas mas que saíram com boas informações. A nova diretoria está muito empolgada, a gente tá revendo nosso portfólio todo. Fazemos isso de 3 em 3 anos, quando uma diretora inicia. Então nós temos trabalhado muito nesse sentido. Mas o momento é desafiador e então a gente tem buscado trazer melhorias para nossos associados, mesmo diante desse cenário de pandemia.

Conexão – Quantos comércios existem hoje em Três Pontas? O número de associados hoje da AcaiTP, no seu entendimento, poderia ser bem maior para que esse próprio comerciante pudesse ter acesso a tantos benefícios, ainda mais num momento de tanta dificuldade?

Bruno – A associação briga pelo empresário durante todo tempo e principalmente em épocas complicadas como a que estamos enfrentando. É uma representatividade que oferecemos, uma defesa de cada comércio. A associação tem hoje 366 associados. Empresas que são MEI, empresas de médio e grande porte, que deve ser em torno de 10% a 15% do volume do comércio em Três Pontas. Mas ainda é um número muito abaixo do potencial que temos diante da qualidade e da variedade de serviços que a Associação Comercial oferece. O comerciante às vezes fica sozinho, não tem muita informação, não busca informação, justamente por não estar associado. Isso acontece sim. A Associação tem muito a oferecer aos nossos associados.

É importante que outras empresas se alertem e venham se filiar, até para dar mais peso quando a gente vai buscar algum benefício. Quanto mais empresas estiverem nessa corrente, mais forte fica a associação. Temos produtos consagrados, diversas consultas, também tem a questão da Unimed e seus benefícios. Cada empresa tem uma necessidade particular e temos muitos serviços para o microempresário, temos um banco de informações para ele, vantagens junto ao Sebrae, etc. A Associação segue apoiando iniciativas e vem mostrando, oferecendo cursos, fortalecendo o comércio online, já que nós reformulamos totalmente a página da associação. Temos agora a ferramenta “Compre no Comércio de Três Pontas”, com um catálogo por segmento de todas as empresas que possuem Instagram, WhatsApp ou Facebook e lá, nesse espaço, colocamos um link para essas redes sociais das empresas credenciadas e isso facilita ao máximo a conexão do consumidor com a empresa associada. 

Conexão – Três Pontas é um comércio de excelente qualidade, muita variedade e bom atendimento, além de preços competitivos. Mas ainda muitos consumidores preferem comprar fora. O que pode ser feito para que o dinheiro fique em Três Pontas?

Bruno – A gente nota hoje em dia mais variedade e melhores preços. Mas se esse comércio local estivesse ainda mais antenado à necessidade de se filiar à Associação Comercial, em contrapartida recebendo mais informação, uma melhor estrutura, percebendo que não está sozinho, que pode caminhar com uma estrutura um pouco melhor, esse quadro seria mudado mais facilmente.

Conexão – O que que é Associação Comercial tem feito para mostrar para o consumidor de Três Pontas que compensa comprar no comércio local?

Bruno – Engraçado que essa sua pergunta realmente é muito interessante. Percebi que de um ano e meio para cá que vários segmentos aportaram aqui. Empresas que não são daqui e que agora estão vindo com mais frequência. Vemos isso no setor supermercadista e agora no de farmácia e realmente isso é preocupante porque essas empresas não são baseadas aqui, embora estejam aqui o dinheiro vai para o lugar que ela se originou. Então é preocupante para os empresários daqui. Por isso ele tem que fazer uma corrente, se fortalecer. 

Quando o consumidor compra no comércio local o dinheiro fica aqui, é gasto ou investido aqui pelo empresário e movimenta a nossa economia. Então é muito importante que o cidadão tenha essa concepção de comprar aqui. Quando compramos fora ou de empresas de fora o nosso dinheiro vai embora, há uma evasão de dinheiro. Temos que fazer o movimento contrário. Deixar o dinheiro da cidade na cidade e investir para atrair clientes de outros municípios. 

Claro que os comerciantes locais precisam atrair cada vez mais e melhor os seus clientes, com novidades, promoções e muita criatividade. O cliente, quando encontrar algum preço melhor fora, ou num concorrente local, pode falar para o empresário que achou condições melhores, que na loja dele não tem tal produto. Fazer com que o comerciante se movimente, que crie melhores condições de compra para seus clientes. Isso também precisa ocorrer. 

 

Conexão – A Prefeitura não divulga mais os plantões de farmácia, já que algumas empresas locais deixaram os plantões por verem uma discrepância, situações distintas referentes ao funcionamento de farmácias vindas de fora, beneficiadas inclusive mediante liminar da Justiça. Como você avalia toda polêmica envolvendo o setor de farmácias na cidade?

Bruno – Com relação às farmácias é uma situação muito desagradável. A Associação Comercial não foi envolvida em momento algum. Não nos procuraram. Nessa briga a gente não tem pleno conhecimento. 

As farmácias locais estão sim se sentindo prejudicadas. De fato não têm divulgado frequentemente esses plantões, já que algumas deixaram de fazer parte. Há claramente um prejuízo diante do que acontece com algumas empresas de fora, que acabaram tendo uma liminar e funcionam de forma diferente. 

Nossa intenção é proteger as farmácias locais e faremos de tudo que for preciso, que estiver ao nosso alcance para que elas não sejam prejudicadas. O consumidor está no papel dele, diante das novas empresas. Mas se a gente prestigiar o nosso colega aqui da cidade, o empresário daqui, deixaremos a cidade mais forte sempre. O nosso comerciante precisa se inovar, mostrar benefícios e vantagens para o consumidor. E lembrar que não existe mágica de preços. Não há diferenças gritantes entre as empresas de fora e as locais, muito pelo contrário, vemos condições muito boas e até melhores em alguns casos ofertadas pelos empresários trespontanos. 

A prestação do serviço local é excelente, geralmente bem melhor que o serviço ofertado pelas empresas de fora. 

Conexão – Para encerrar, uma mensagem que você deixaria de apoio nesse momento aos comerciantes que estão vendendo uma situação muito difícil.  

Bruno – O empresário está com as portas abertas mas a gente sabe, claro, que a onda roxa vai interferir de uma forma fundamental, pesada, direto no seu faturamento. 

A gente tem que ter perseverança! Quando a gente tá vivendo um problema geralmente a gente fica muito bitolado no problema. Lembrar que se o comerciante não pode receber o cliente dentro do comércio lojista, no caso dos comerciantes de calçados, de roupas, o que é muito ruim para esse empresário,  é necessário que ele busque alternativas, usando da criatividade. As vezes enviar para o cliente uma lista de produtos, de promoções pelas redes sociais, enviar um vendedor até a casa das pessoas para levar uma amostra, tentar fazer a venda pelo cartão, enfim, estender sua loja para outro universo, o universo online. Investir nessa questão.

As empresas estando abertas é algo muito importante para o município, tanto na parte da geração de emprego quanto no investimento que as empresas fazem na cidade, elas fazem circular muito dinheiro na cidade. desde o início da pandemia, desde que o comércio passou a ser penalizado com fechamento, nós passamos a oficiar a Prefeitura pedindo a reabertura. Infelizmente parece que isso tudo se trata de movimento político por parte do governador de Minas que se descompatibilizou com o presidente Bolsonaro. Infelizmente parece que nos tornamos massa de manobra para esses políticos. Isso é devastador para as empresas e a gente sempre pediu, de imediato, que abrissem o comércio. Seguiremos lutando pelo nosso empresário, pelos nossos comerciantes.

#conexãotrêspontas #notícia #opinião #comentando #polêmica #jornalismo #informação #comportamento #fato #pandemiacoronavirus #uti #rogercampos #minasgerais #suldeminas #Conexão #reportagem #notícias #Covid19 #distanciamentosocial #instagram #twitter #saúde #educação #política #economia #governofederal #trêspontas #vacinacontracovid19 #bolsonaro #coronavac

Curta a página do Conexão Três Pontas no facebook

www.facebook.com/conexaotrespontas

12729255_119502638436882_132470154276352212_n

Roger Campos

Jornalista

MTB 09816

#doadorsemfronteiras

Seja Doador de Médicos sem Fronteiras

0800 941 0808

OFERECIMENTO

 

 

Sobre o autor

Reply

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm